Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

CONGRESSO DECIDE GUERRA NA SÍRIA: Quando se esperava o anúncio da ofensiva, Obama veio dizer que delega a decisão nos representantes eleitos. Voto não acontecerá até 9 de setembro.

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...


Este website utiliza cookies que asseguram funcionalidades para uma melhor navegação. Ao continuar a navegar está a concordar com a sua utilização.
Saiba mais sobre cookies
Michael Reynolds/EPA
Obama reiterou que as provas contra Assad são “concludentes” e pediu o apoio do Congresso para uma guerra que considera um imperativo moral
COMENTÁRIO MAIS VOTADO
"O presidente Barack Obama quer guerra na Síria simplesmente porque quer roubar o petróleo à Síria algo que o EUA querem fazer à muitos anos."
Anónimo
01 Setembro 2013
EUA: Presidente pede apoio para punir “afronta à dignidade humana”

Congresso decide guerra na Síria

Quando se esperava o anúncio da ofensiva, Obama veio dizer que delega a decisão nos representantes eleitos. Voto não acontecerá até 9 de setembro.


O presidente Barack Obama adiou ontem, uma vez mais, o ataque à Síria. Num discurso proferido nos jardins da Casa Branca, o presidente dos EUA disse ter tomado já a decisão de punir o regime de Bashar al-Assad pelo uso de armas químicas, mas anunciou que remeterá para o Congresso a decisão final sobre a ofensiva. Segundo algumas fontes, o voto não terá lugar antes de 9 de setembro.
"Hoje peço ao Congresso que envie ao Mundo uma mensagem clara de que estamos prontos para agir unidos como nação", afirmou Obama, que de seguida explicou o motivo de delegar a decisão final: "As Forças Armadas estão prontas para atacar a qualquer momento [...], mas sempre acreditei que o nosso poder se baseia, não só no poder militar, mas também nos nossos valores e no nosso exemplo enquanto governo do povo, pelo povo e para o povo". E, como que para afastar acusações de indecisão, concluiu: "O papel do presidente como comandante militar fica sempre fortalecido quando tem o apoio do Congresso".
Pergunta CM
Voto submetido com sucesso!
52.3%
47.7%
A consulta aos legisladores equivale a um adiamento significativo de uma operação que se disse que começaria esta semana. Significa ainda um recuo de Obama, que não pensava pedir autorização para a ofensiva. A este recuo não será alheia a derrota do primeiro-
-ministro britânico David Cameron, que viu o Parlamento dizer não à participação britânica na ofensiva, nem o facto de a grande maioria dos norte-americanos estar contra a guerra.
Apesar de tudo, Obama sublinhou o que ele e o secretário de Estado, John Kerry, disseram no dia anterior, e reiterou que as provas da responsabilidade de Assad no ataque que no dia 21 de agosto matou mais de mil pessoas junto a Damasco "são concludentes". Esse ataque, frisou, foi "uma afronta à dignidade humana". Por isso considera um imperativo moral dos EUA, e do Mundo, castigar os responsáveis.

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA