Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

VEJA A RAPOSA DENTRO DO GALINHEIRO: 'Queremos a verdade', diz Alckmin ao criar grupo que apura cartel Governo de SP cria comissão para acompanhar investigações do Cade. Órgão investiga suposta formação de cartel em licitações do Metrô.

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...



09/08/2013 11h52 - Atualizado em 09/08/2013 13h09

'Queremos a verdade', diz Alckmin ao criar grupo que apura cartel

Governo de SP cria comissão para acompanhar investigações do Cade.
Órgão investiga suposta formação de cartel em licitações do Metrô.

Márcio PinhoDo G1 São Paulo
29 comentários
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), criou nesta sexta-feira (9) a criação de uma comissão externa para acompanhar as investigações das denúncias de formação de cartel em licitações de trens e Metrô no Estado. A comissão externa será formada por representantes de entidades e organizações da sociedade civil. Entre as entidades convidadas para formar a comissão estão a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a organização Transparência Brasil e o Instituto Ethos. O grupo chamará Movimento TranSParência. Segundo o governo, a comissão terá independência e acesso a contratos e documentos para identificar e apontar possíveis problemas
“Instituímos hoje o Movimento TranSParência para trazer à sociedade civil, com a sua 'expertise', com a 'expertise' que seus membros têm, para que tenhamos transparência absoluta. Nós queremos toda a verdade. Somos o maior interessado nisso", disse Alckmin.
Segundo ele, o governo paulista irá punir quem por ventura tenha lesado os cofres públicos. "O governo vai às últimas consequências: punir e processar empresas que tenham lesado o estado de São Paulo”. A primeria reunião do grupo TranSParências será na próxima semana.
O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) investiga uma suposta formação de cartel para licitações do Metrô de São Paulo e do Distrito Federal e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Segundo reportagem do jornal "Folha de S. Paulo" publicada no dia 2, a empresa alemã Siemens, que faria parte do suposto esquema, entregou ao Cade documentos em que afirma que o governo de São Paulo sabia e deu aval à formação de um cartel que envolveria 18 empresas. Entenda o caso.
O lançamento do grupo TranSParência foi feito no final desta manhã, no Palácio dos Bandeirantes. Alckmin apresentou os termos gerais de funcionamento do grupo, e saiu sem conversar com a imprensa no final do evento.
O corregedor-geral do estado, Gustavo Húngaro, foi perguntado se o ex-governador José Serra (PSDB) poderá ser convidado para falar ao grupo e prestar esclarecimentos sobre as denúncias que têm sido divulgadas na imprensa. Segundo ele, a corregedoria não tem atribuição em relação a ex-governadores. “É um órgão de controle interno, que pode investigar agentes públicos no estado de São Paulo. Um ex-governador não tem mais vínculos com o estado. Não está no foco da Corregedoria e não faz sentido ele ser ouvido”, disse Húngaro
Reportagem publicada nesta quinta-feira (8) no jornal "Folha de S.Paulo" afirma que, em e-mail enviado a superiores em 2008, um executivo da Siemens diz que José Serra, à época governador, sugeriu que a empresa entrasse em acordo com uma concorrente para evitar que uma possível disputa judicial de ambas pelo contrato provocasse atraso na entrega de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Serra nega a conversa com o executivo.
MP apura 'organização criminosa'
Também nesta manhã, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) anunciou a criação de um procedimento para investigar na esfera criminal possíveis envolvidos no suposto cartel que operou em licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Segundo o promotor Marcelo Mendroni, as empresas envolvidas são tratadas como "organizações criminosas" nesta nova investigação.
Além da esfera criminal, investigada a partir de quinta, o MP já havia anunciado apurações na esfera cível. Desde 2008, são 45 inquéritos sobre possíveis irregularidades em licitações do Metrô e CPTM. Em um deles, a Promotoria apura cerca de 90 aditivos feitos em 11 contratos com o Metrô – em pelo menos nove, há a indicação de aumento do valor contratado, classificado pelo MP de "absurdo"; troca de empresas depois de homologada a licitação; alteração do objeto do contrato e prorrogação excessiva dos prazos estabelecidos.
Propina a partidos
Segundo reportagem do jornal “O Estado de S.Paulo” desta sexta-feira, a empresa Alstom teria destinado mais de US$ 20 milhões em propinas pagas no Brasil - parte do dinheiro, segundo a reportagem, foi para cofres de partidos políticos nos anos 1990. A constatação, que faz parte de uma investigação da Justiça de Berna, na Suíça, é de que há "evidências claras de suborno" e até uma "tabela oficial" de propina no Brasil. O dinheiro teria sido destinado a projetos de energia no Brasil. A Justiça suíça não citou partido envolvido.
Já o jornal “Folha de S.Paulo”, informou nesta sexta que um diário escrito por um executivo da multinacional alemã Siemens descreve que o governo de São Paulo teria pressionado as empresas que disputaram um contrato milionário do Metrô no fim da década de 1990 a fazer um acordo para dividir a encomenda. O diário foi entregue ao governo federal pela própria Siemens, após acordo para colaborar com as investigações e evitar punições previstas pela prática de cartel.
O diário teria sido escrito pelo gerente de vendas da Siemens Peter Rathgeber, e relata negociações entre as empresas que disputaram a licitação aberta para comprar os trens da Linha 5-Lilás do Metrô de São Pauo, que vai do Capão Redondo ao Largo Treze. Segundo o executivo, a ideia era repartir os ganhos entre cinco companhias. O ex-secretário estadual de Transportes Metropolitanos Claudio de Senna Frederico negou que ele ou governador Mário Covas (PSDB) tenham exercido pressão para um acerto entre empresas e disse também que eles não tinham conhecimento do suposto esquema.

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA