Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Há 3,5 bilhões de anos seria possível beber água em Marte, diz cientista John Grotzinger, chefe da missão do Curiosity, falou ao jornal 'La Tercera'. Ambiente propício à vida no planeta durou centenas ou milhares de anos.

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...





05/08/2013 09h37 - Atualizado em 05/08/2013 09h52

Há 3,5 bilhões de anos seria possível beber água em Marte, diz cientista

John Grotzinger, chefe da missão do Curiosity, falou ao jornal 'La Tercera'.
Ambiente propício à vida no planeta durou centenas ou milhares de anos.

Da EFE
74 comentários
  •  
Uma rocha marciana analisada pelo veículo explorador de Marte (Rover) Opportunity, contém amostras de barro formado em água não-ácida (Foto: Nasa/AFP)Rocha de Marte analisada pela Nasa tem amostras de barro formado em água não ácida (Foto: Nasa/AFP)
Há 3,5 bilhões de anos, se os seres humanos já existissem e fossem para Marte, poderiam ter bebido água e vivido ali por muito tempo, afirmou no domingo (4) o cientista da agência espacial americana (Nasa) John Grotzinger, chefe da missão do robô Curiosity.
Em declarações ao jornal chileno "La Tercera", Grotzinger destacou que, um ano após o robôCuriosity chegar com sucesso ao planeta vermelho – o quarto do Sistema Solar –, o veículo descobriu que aquele é um meio ambiente similar à Terra, em que os seres humanos poderiam ter enchido um copo de água e provavelmente bebido-o se estivessem estado lá há 3,5 bilhões de anos.

Grotzinger destacou que nesta terça-feira (6) o robô completará um ano em Marte, onde, em poucos meses, conseguiu atingir várias das metas propostas na missão de dois anos: caracterizar a água e a atmosfera do planeta e achar ambientes que no passado puderam suportar vida.
O cientista indicou que o passo mais importante até agora foi descobrir, a partir da análise de rochas marcianas, que existiu um ambiente propício à vida que persistiu por centenas ou milhares de anos.
Desde então, essa se transformou na missão mais popular da Nasa, incluindo uma conta com mais de 1,3 milhão de seguidores no Twitter. O Curiosity também foi classificado como personagem do ano pela revista "Time".
"Foi um ano muito bom. Pudemos aterrissar, que era algo sobre o qual todos estávamos nervosos, e depois de oito meses conseguimos a meta primária da missão: que a água não era ácida como as missões anteriores detectaram, mas tinha um pH (potencial hidrogênio) neutro", disse.
Grotzinger afirmou que, embora Marte tenha perdido umidade e hoje seja um deserto frio, as análises do Curiosity mostram que o planeta "pôde ser um local onde micro-organismos teriam vivido facilmente".
O cientista explicou que o robô faz atualmente sua viagem mais longa na superfície do planeta vermelho, que é circundado por dois satélites. O trajeto foi iniciado em 4 de julho e deverá percorrer 8 km rumo ao Monte Sharp, uma montanha de 5.500 metros, em um deslocamento que poderá durar entre sete e nove meses.
"Será uma longa viagem, nos deteremos em algumas ocasiões para fazer medições, mas estamos comprometidos em dirigir ao monte o mais rápido possível", comentou Grotzinger.
O cientista disse que a ideia original da viagem era aterrisar próximo de sua base, no centro da Cratera Gale, pois as imagens do planeta tomadas ainda em órbita mostravam camadas e mais camadas no terreno com diferentes idades geológicas, além de cores de minerais que poderiam conter água.
Grotzinger acredita que nessa zona de Marte há mais possibilidades de encontrar ambientes habitáveis.
Detalhe da imagem onde aparece um buraco feito pelo robô (Foto: Nasa/Divulgação)Robô Curiosity completa um ano no solo de Marte nesta terça-feira (6) (Foto: Nasa/Divulgação)

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA