Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

sábado, 20 de julho de 2013

Venezuela anuncia fim de diálogo com EUA por normalização das relações bilateraisDecisão foi tomada depois que futura embaixadora norte-americana na ONU disse que daria uma resposta à suposta repressão venezuelana

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...



20/07/2013 - 09h31 | Redação (*) | São Paulo

Venezuela anuncia fim de diálogo com EUA por normalização das relações bilaterais

Decisão foi tomada depois que futura embaixadora norte-americana na ONU disse que daria uma resposta à suposta repressão venezuelana
 
 
O governo venezuelano anunciou no final da noite desta sexta-feira (19/07) que o diálogo iniciado com os EUA há mês e meio na Guatemala para normalizar as relações entre ambos os países foi rompido, após as declarações da próxima embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Power.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela indicou que, com o respaldo dado pelo Departamento de Estado norte-americano à "agenda intervencionista" de Samantha Power, "a República Bolivariana da Venezuela dá por encerrado os processos iniciados nas conversas da Guatemala".

Na última quarta-feira, durante sua audiência de confirmação do cargo perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado, a futura embaixadora se comprometeu a "dar uma resposta à repressão da sociedade civil registrada em países como Cuba, Irã, Rússia e Venezuela".

Agência Efe

Jaua e Maduro decidiram interromper diálogo com EUA após declarações de diplomata norte-americana


A Venezuela desqualificou as declarações da norte-americana e o próprio presidente Nicolás Maduro exigiu ontem uma retificação ao governo dos EUA.

No entanto, uma porta-voz do Departamento de Estado, Marie Harf, indicou hoje que "Samantha Power é uma candidata sobressalente extraordinária e incrivelmente competente. A respaldamos completamente".

"A República Bolivariana da Venezuela jamais aceitará ingerências de nenhum tipo em seus assuntos internos", indicou a chancelaria venezuelana em seu comunicado de resposta.
Caracas reiterou que, como havia expressado Maduro, "construir uma boa relação com o governo dos Estados Unidos depende da prática do respeito mútuo e do reconhecimento absoluto e total dos princípios de soberania e autodeterminação".

Nesse sentido, o governo venezuelano "rejeita categoricamente" as declarações de Samantha Power e assinala que suas opiniões foram "avaliadas e respaldadas" pelo Departamento de Estado, "contradizendo o tom e o conteúdo do expressado" pelo secretário de Estado, John Kerry, no encontro que manteve com o chanceler venezuelano, Elías Jaua, na Guatemala.

"É inaceitável e infundada a preocupação expressada pelo governo dos EUA", indicou a chancelaria, ressaltando que o governo venezuelano "demonstrou amplamente que possui um sólido sistema de garantias constitucionais para preservar a prática e o respeito irrestrito aos Direitos Humanos".

É a segunda vez, em 2013, que Venezuela e Estados Unidos interrompem um processo de normalização das relações bilaterais. O congelamento dos laços entre os países se deu em 2010, depois que a Caracas recusou a nomeação de Larry Palmer como embaixador norte-americano. Na época, Chávez negou a indicação após Palmer afirmar que as Forças Armadas venezuelanas estavam com o "moral baixo" e que guerrilhas colombianas poderiam estar se abrigando no país. Em retaliação, Barack Obama suspendeu o visto do embaixador da Venezuela.

(*) com Agência Efe

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA