Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Protestos no Brasil não são rejeição à política, diz Lula no 'NY Times'

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...


16/07/2013 14h09 - Atualizado em 16/07/2013 20h07

Protestos no Brasil não são rejeição à 


política, diz Lula no 'NY Times'


Manifestações são reflexo de sucessos do país, argumenta o ex-presidente.
Segundo ele, seu partido, o PT, precisa de uma 'renovação profunda'.

Do G1, em São Paulo
716 comentários
Reprodução do artigo de Lula no 'New York Times', na versão digital, nesta terça-feira (16) (Foto: Reprodução)Reprodução do artigo de Lula no 'New York Times',
na versão digital, nesta terça-feira (16)
(Foto: Reprodução)
O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva tocou no assunto dos protestos de rua no país, em sua coluna de opinião desta terça-feira (16) distribuída pelo "New York Times", afirmando que se tratou de um movimento para "aumentar o alcance da democracia e encorajar o povo a atuar mais completamente".
Ele afirmou que os protestos não mostram uma rejeição da política, mas justamente o contrário.
"Mesmo o Partido dos Trabalhadores, que eu ajudei a fundar e que contribuiu tanto para modernizar e democratizar a política no Brasil, precisa de uma renovação profunda. Ele deve recuperar suas ligações cotidianas com os movimentos sociais e oferecer novas soluções para novos problemas, e fazer as duas coisas sem tratar os jovens com paternalismo", disse.
Egito, Tunísia, Espanha, Grécia e Brasil
Lula começa o texto (clique para ler a íntegra, em inglês) mostrando estranhamento pelo fato de os protestos terem ocorrido em um país democrático (ao contrário de Egito e Tunísia em 2011) e com boa conjuntura econômica (ao contrário da Espanha e da Grécia).
Segundo Lula, os protestos foram um resultado dos sucessos do país nas áreas social, econômica e política, e um desejo genuíno da população de acesso a serviços públicos melhores.
Para Lula, a democracia não é um "compromisso com o silêncio", mas um fluxo constante, com debate e definição de prioridades e desafios.
O ex-presidente lembrou a afirmação de que a sociedade entrou na era digital, mas os políticos continuaram "analógicos", e apelou pela renovação das instituições democráticas.
Lula lembrou que a presidente Dilma Rousseff propôs um plebiscito para levar adiante as tão necessárias reformas políticas e também sugeriu um pacto social com as forças políticas em torno de educação, saúde e transporte.
O ex-presidente terminou o texto apelando aos jovens para que, mesmo "desencorajados por tudo e por todos", não desistam da política.
"Se você não encontrar nos outros o político que você procura, você pode encontrá-lo em você mesmo", escreveu.

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA