Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

segunda-feira, 1 de julho de 2013

PORTO ALEGRE: Protestos na Capital deixam esperanças e

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...




Depoimento28/06/2013 | 15h00

Protestos na Capital deixam esperanças e vidraças despedaçadas

Ação de grupos violentos escapou ao controle policial, deixando novas marcas de destrução no bairro Cidade Baixa


Protestos na Capital deixam esperanças e vidraças despedaçadas  Adriana Franciosi/Agencia RBS
Carros na Rua Alberto Torres foram alvo de novas depredaçõesFoto: Adriana Franciosi / Agencia RBS
O protesto na Praça da Matriz era organizado e aparentemente pacífico. Mas apesar do clima festivo - da música, das rosas, da pipoca e do quentão - algo não cheirava bem para quem já tinha ido nos outros e sabia que, a qualquer momento, a quebradeira poderia começar.
Na multidão que se manifestava cordialmente junto ao centro do poder gaúcho, estavam misturados grupos de pessoas com interesses nada cidadãos. Via-se gente desligada de qualquer conversa sobre política, desprovida de bandeiras, e sobretudo, de simpatia por qualquer mudança social.
Mesmo de forma sutil, a presença desses vultos mal-encarados ameaçava, de forma velada, a beleza daquele encontro. Eram jovens embriagados, rostos tapados, com pedaços de madeira nas mãos.
Demorou pouco até esses destruidores escondidos mostrarem suas garras. Em pequenos grupos, foram começando atos de vandalismo de forma descentralizada na Praça.
A presença ostensiva da polícia segurou no começo, mas não foi suficiente para impedir que eles jogassem pedras na Tropa de Choque, quebrassem lojas, virassem lixos, queimassem contêineres e descessem a Rua Marechal Floriano Peixoto tocando o terror nos comerciantes, rumo à Cidade Baixa.
As dezenas de brigadianos que marcavam presença nas ruas centrais do bairro boêmio, tranquilizando os moradores no começo da noite de quinta-feira, misteriosamente desapareceram quando o arrastão passou. Os oportunistas infiltrados na manifestação mancharam, de forma egoísta, a imagem de um movimento que propõe melhorias ao país.
E a polícia deixou, mais uma vez, em nova estratégia fracassada, que a violência se sobrepusesse aos pedidos de paz. Como saldo, vidraças, carros e esperanças estilhaçados.
* Moradora do bairro Cidade Baixa, a repórter acompanhou o protesto na Praça da Matriz e, posteriormente, viu a ação dos vândalos da janela de casa 

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA