Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Norueguesa condenada após denunciar estupro chora ao voltar para casa

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...



  atualizado às 10h26

Norueguesa condenada após denunciar estupro chora ao voltar para casa

Marte Deborah Dalelv, a jovem norueguesa condenada em Dubai a 16 meses de prisão por ter relações sexuais fora do casamento após denunciar um estupro, aterrissou nesta quarta-feira no aeroporto de Sandefjord.
A imprensa local divulgou a notícia, confirmada pelo próprio ministro das Relações Exteriores norueguês, Espen Barth Eide, que em sua conta pessoal da rede social Twitter escreveu "Marte Dalelv está outra vez na Noruega com sua família. Bem-vinda à casa, Marte!".
O caso de Marte, 24 anos, havia gerado uma onda de indignação em seu país e tinha ativado as gestões do governo de Oslo frente a Dubai para conseguir uma solução diplomática ao assunto.
O pesadelo da jovem começou em março, quando foi detida após apresentar uma denúncia por estupro, ao que seguiu um julgamento no qual foi condenada a 16 meses de prisão porconsumo de álcool, conduta indecorosa e por manter relações sexuais fora do casamento.
Segundo relatou a processada a diversos jornais, o abuso aconteceu durante uma viagem de negócios a Dubai, de volta de uma festa, e o agressor foi um companheiro de trabalho, que a levou a seu quarto e a estuprou. A jovem decidiu prestar queixa, mesmo após ser alertada de que o processo não iria adiante em Dubai, e em seguida foi presa.
A norueguesa então passou vários dias praticamente incomunicável em uma cela, até que finalmente entrou em contato por telefone com seus parentes e o consulado norueguês. Na semana passada finalmente foi ditada sentença, que a declarou culpada, e detiveram seu passaporte.
Graças à intervenção do consulado, a mulher ficou sob custódia de uma instituição religiosa, embora impedida de sair de Dubai. O governo norueguês informou na segunda-feira que Marte já estava em liberdade e tinha sido autorizada a abandonar o emirado.
terra

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA