Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

sábado, 20 de julho de 2013

Justiça condena resposáveis pelo naufrágio do navio Costa Concordia

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...



Justiça condena resposáveis pelo naufrágio do navio Costa Concordia

20/07/2013 - 11h49
Da Agência Lusa
Brasília – Penas de prisão de 18 a 24 meses foram aplicadas hoje (20) aos cinco empregados da empresa Costa Cruzeiros, proprietária do navio Costa Concordia, que naufragou em janeiro de 2012, causando a morte de 32 pessoas. O juiz Pietro Molino aceitou um acordo negociado entre o Ministério Público italiano e cinco dos seis empregados, acusados de homicídio involuntário múltiplo, danos agravados e naufrágio.
Os cinco acusados são os oficiais Ciro Ambrosio e Silvia Coronica, o timoneiro Jacob Rusli, o chefe de bordo Manrico Giampedroni e o chefe da unidade de crise em terra da empresa Costa Cruzeiros, Roberto Ferrarini.
O principal acusado do naufrágio, o comandante Francesco Schettino, começou a ser julgado na semana passada, depois de uma audiência preliminar em que não foi aceita a sua proposta de fazer um acordo em relação à pena. Francesco Schettino é acusado de múltiplos homicídios por negligência, de abandono do navio e de causar danos ambientais, o que pode levar a uma pena de prisão de até 20 anos.
A condenação mais alta determinada pelo juiz Molino foi a do representante da Costa Cruzeiros, Roberto Ferrarini, que terá de cumprir 34 meses de prisão. O chefe de bordo Giampedroni chegou a um acordo para 30 meses; Ambrosio, 23 meses; Rusli, 20 meses; e Coronica, 18 meses.
O Costa Concordia se chocou com as rochas em frente à Ilha de Giglio, na noite de 13 de janeiro de 2012, com 4.229 passageiros de 70 nacionalidades a bordo. O navio tombou, gerando pânico entre os passageiros, cuja retirada foi complicada por falhas registradas em alguns botes salva-vidas.
Centenas de pessoas foram forçadas a saltar para o mar. Durante a evacuação do barco, o comandante Francesco Schettino teria abandonado o navio com passageiros ainda a bordo. Schettino alega que caiu acidentalmente num bote salva-vidas e garante que estava coordenando a operação em terra.


POSTAGENS DE SERGIO VIANNA