Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Estudante que morava debaixo da ponte se muda para casa em Esteio

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...



Novo lar19/07/2013 | 13h56

Estudante que morava debaixo da ponte se muda para casa em Esteio

Alugada pela prefeitura, moradia abrigará José e sua família por período mínimo de seis meses

Estudante que morava debaixo da ponte se muda para casa em Esteio Tadeu Vilani/Agência RBS
José deixa a vida debaixo da ponte na BR-116 por nova habitação em EsteioFoto: Tadeu Vilani / Agência RBS
Às oito e trinta desta gelada sexta-feira, o sonho de José Luiz Camboim Moni, que quer ser médico, ganhou novos contornos de realidade. Quando o caminhão alugado pela prefeitura de Esteio estacionou em frente a sua moradia, debaixo da ponte na BR-116, ele, a mãe Tatiana e os irmãos Jorge, 11 anos, e Matheus, 13, já esperavam ansiosos pelo início da mudança.
Após ter sua história contada pela repórter Kamila Almeida e o fotógrafo Tadeu Vilani , uma rede de solidariedade foi formada para impulsionar o estudante, de 15 anos, a aproximar-se do ideal. A prefeitura decidiu doar o aluguel de uma casa, com água e luz, até a família ter condições de comprar a própria habitação.
Confira a galeria de fotos
De pé desde às 6h30min, José e a mãe haviam empacotado quase todos os pertences quando o carregamento começou. Alguns itens que restavam avulsos, Tatiana fazia questão de recolher depressa.
—Vamos gurizada, ajudem! Não vamos deixar o caminhão esperando— gritava, animada, a mãe.
Uma força tarefa de voluntários ajudou no transporte dos objetos pessoais para dentro do caminhão. Em um espaço de quase 40 metros quadrados, eles tinham parte do que uma família precisa para sobreviver: colchão, duas televisões, videogame, jogos, bicicletas, máquina de lavar, cobertas, roupas, alimentos, mesa e, o mais importante, livros. Muitos livros.
— Cuidado, não vai deixar cair na água — dizia José, atento a acomodação do material em uma caixa de papelão.
No lugar onde vai residir a partir de hoje, a família vê um cenário bem diferente do que convivia nos últimos nove meses. O chão úmido de barro foi substituído por um piso de lajota. A rodovia que servia de teto foi trocada por um forro de verdade. Com quatro quartos, banheiro, sala e cozinha amplas, a casa de quase 100 metros quadrados tem churrasqueira, forno à lenha e um pátio repleto de bananeiras, pitangueiras e ameixeiras, onde os irmãos poderão correr a vontade.
De poucas palavras, José expressava no sorriso e nas brincadeiras com o irmão menor a faceirice pela mudança. Perguntado sobre o que faria na casa nova, de pronto respondeu que terá melhores condições de estudar:
— Aqui vou poder ter um computador. Não vou precisar ir mais na lan house — disse, timidamente.

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA