Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

quinta-feira, 23 de maio de 2013

OS CRIMES POLICIAIS DA 2A. DEL. HOMICÍDIOS DE POA!!!!


CRIMES DO DELEGADO FALSÁRIO  QUE VEM TRAZENDO AINDA HOJE PREJUÍZOS!!!!

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...




DELEGADO FALSÁRIO LADRÃO ARTHUR RALDI...



Sergio Vianna - Leiloeiro Oficial

DELEGADO FALSÁRIO  VAGABUNDO, SEM VERGONHA, CRIMINOSO, USANDO O SISTEMA E O PODER DE POLICIA, CHAMADO ARTHUR RALDI, COMETEU CRIMES, ABONADOS PELA JUSTIÇA E MUITO MAIS, TANTO QUE JA ACONTECEU PRISÃO NA MESMA DELEGACIA, POR CRIMES DE ABORTO, PELA MESMA QUADRILHA DE MARGINAIS TRAVESTIDOS DE POLICIAIS, CONFIRA...


NÃO EXISTE CRIME PERFEITO, MESMO ABONADO PELA JUSTIÇA...

Sergio Vianna - o leiloeiro, pessoa que esteve por dez dias nas manchetes dos jornais, sendo tratado e rotulado, pelos diversos órgãos de imprensa, sem estes terem os cuidados necessários a ética, do respeito, do direito ao contraditório, acreditaram num ato diabólico, de um delegado (Arthur Raudi), este desqualificado, mentiroso, falsario, ladrão, usando da ganancia de aparecer, se destacar perante a sociedade, agregou seu poder, com interesses de uma quadrilha de pessoas que não respeitam o próximo, que não tem amor próprio  nem mesmo a seus filhos, ou seja baseado em três falsos depoimentos, de pessoas ligadas comprovadamente ao crime (Inquérito 798/2011), o falsário policial, nem se quer ouviu o outro lado, nada de intimações e depoimentos,nada de investigação, mas usou relatórios de policiais que assinaram, com falsas acusações, mancomunado com um policial que na prisão de parte da quadrilha, esteve na delegacia (4a.DP),visitando e conversando com os presos vulgo (Centeno), este esteve em frente minha propriedade por mais de uma vez,que usa o sistema da Delegacia de Viamão para consultas e informações aos amigos da quadrilha e a familiares dos mesmos, fatos estes que, destruiu por dez dias minha casa, meu trabalho e minha família  estendendo a meus funcionários e familiares as consequências  atos irreparáveis, com cicatrizes jamais curáveis, mesmos com todas as indenizações homologadas, mesmo com todos os processos de calunias, injurias e difamações, a ferida continua aberta, pois são 46 anos de vida, com uma família construída  seis filhos, nem se quer cigarro na minha casa existe, fui tachado de traficante quadrilheiro e assassino, por uma quadrilha formada, por maus policiais coligados com pessoas sem valor familiar, resta agora forças para correr atras deste prejuízo  honrando as cuecas que uso em nome de meus filhos e netos e demais pessoas que me cercam, irei ultrapassar as mazelas da justiça, contra estes maus feitores, do contrario, para quantos mais, eles irão fazer a mesma coisa...HOJE QUALQUER PROCEDIMENTO DESTE DELEGADO
(ARTHUR RALDI), É SUSPEITO, TEM ESTE PROCEDIMENTOS DE OFICIO COM A JUSTIÇA, E USAR COMO MOEDA PARA CRIME, É O VERDADEIRO ATENTADO CONTRA A JUSTIÇA, DE OUTRO LADO, ATE UMA CRIANÇA NOTARIA QUE O INQUÉRITO  FOI MONTADO, COM FALHA GROTESCAS, COM MALDADES, COM RELATÓRIOS FRIOS, DEPOIMENTOS DE TRÊS PESSOAS, TRATADAS COMO CRIMINOSAS, RESPONDENDO POR DUPLA TENTATIVA DE HOMICÍDIO E TRÊS VEZES POR COAÇÃO AS TESTEMUNHAS, NADA DISSO FOI LEVADO EM CONTA.

POR TANTO HOJE QUALQUER ATO MAQUIAVÉLICO DESTE DELEGADO FALCATRUA, LADRÃO, FALSÁRIO  QUE TENHA AMPARO JUDICIAL DE OFICIO
É DE RESPONSABILIDADE DO JUDICIÁRIO, UMA VEZ QUE OS FATOS NARRADOS
SÃO DE CONHECIMENTO DE TODOS, ALEM DE ESTAR RODANDO, FOI MATÉRIA EM TODOS OS VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO E VOU CONTINUAR A PUBLICAR EM TODOS OS ÓRGÃOS ATE QUE JUSTIÇA SEJA REALMENTE FEITA, COM LEGITIMIDADE E COM RESPEITO A CARTA MAGNA, QUE NOS ATOS CITADOS FOI
RASGADA, DESRESPEITADA.

Sergio Vianna - Leiloeiro Oficial.

FATOS BASEADOS: No inquérito policial 414/2011 2a. DP /Homicídios POA, Inquérito 798/2011, 4a. Delegacia POA e ocorrências feitas por mim de, nos. 5762/2011; 5763/2011; 5764/2011 e 5765/2011 - Todas contra o Delegado Artur Raudi sua quadrilha e agregados, que consistem em Falsidade Ideológica  Denunciação caluniosa, furto, e atentado contra a justiça.

OBS: Com atos em andamento na Corregedoria de Policia, também cópias endereçadas, com pedido de termo de depoimento ao Ministério Publico Estadual, para medidas judiciais cabíveis ao caso, não muito raro no Brasil e perece que em nosso Estado, esta virando rotina, bem pior...e por fim, meu nome foi desqualificado de qualquer denuncia, conforme despacho do dia 18.07.2011, nos autos do processo n. 001/211.0071123-4 1a. Vara do Juri de Porto Alegre;

DESPACHO:

Diz o Sr. Magistrado Dr. Leandro Raul Klippel em seu respeitável despacho -=; Rejeito a denúncia com relação ao acusado SÉRGIO LUIS MARTINS VIANNA, com fulcro no art. 395, III, do CPP. (grifo original)

E por fim esta no BLOG, certidão Narratória Crime, me inocentando de qualquer denúncia, datada de 19.08.2011 - Todas as informações a disposição pelo fone 30.31.55.86 ou via email.

***

Alguma coisa, tem que ser feito, o que não pode, depois de tudo acontecido, danos materiais, morais sequelas, afetando saúde familiar dos filhos, minha própria, desespero de funcionários e familiares, pois emprego hoje não é coisa simples, enfim, as coisas continuarem acontecendo, com outros com o mesmo Módus operante e instrumentos, seja o sistema policial, ou Judiciário, por questões de responsabilidade, quando de oficio nomear alguém que usa de falsidade e ilusionismo em seus atos inconstitucionais, contra terceiros inocentes, a policia civil, tem instrumentos investigatórios, que amparam os servidores, basta usá-los, ninguém esta pedindo para não ser investigado, se tiver suspeita, denuncia, que seja, mas de forma normal, respeitando direitos constituídos  não em cima de suposição, sair buscando mandados, falando mentiras em televisão, invadindo a família a honra dos cidadãos, imagina se alguém com o mesmo Modus operante destes, praticam atos com as mesmas artimanhas, contra alguém da família deste policial, como ele se sentiria, qual seria a reação, quando a mesma dor estivesse este ou seus entes sentindo, tomara que Deus olhe este delegado, ainda um guri, e faça o repensar seus atos, não precisa atropelar para crescer na carreira, não precisa, pisar em cima de ninguém, os resultados serão com certeza negativos a ele...

COMO SE NÃO BASTASSE TEM PROCESSO DE PORTE ILEGAL DE ARMA, NA VERDADE, FORAM ALGUMAS MUNIÇÕES, ESTRANHAMENTE, MUNIÇÕES DO ESTOQUE DA PRÓPRIA POLICIA, UMA VERDADEIRA QUADRILHA, OS TAIS NINJAS DESTE MAU CARÁTER DELEGADO, ATE QUANDO!!!!

Sergio Vianna


MATÉRIA DO DELEGADO FALSÁRIO ARTHUR RALDI NO LINCK DA POLICIA CIVIL-RS



NOTA EMITIDA PELO FALSÁRIO DELEGADO ABAIXO
O Estado do RS Agência de Notícias



História da Polícia Civil



O Patrono



AtribuiçõesComunicaçãoComunicaçãoNotícias



Eventos



Avisos



Áudio, Vídeo e FotosServiços e InformaçõesServiços e InformaçõesCampanha Nacional do Desarmamento 2011



Dicas de Segurança



Guia de Recolhimento de TaxasPágina Inicial > Notícias VoltarRSSCompartilharImprimirA+A-Notícias Publicado em 08/07/2011 10:45



Atualizado em 08/07/2011 16:40 Operação Minha Ilha resulta na prisão de dois homens suspeitos de homicídio Agentes da 2ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Desaparecidos (DHD), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), desencadearam, na manhã desta sexta-feira (08/07) a Operação Minha Ilha. Foram utilizadas oito viaturas, 20 agentes, coordenados pelo Delegado Arthur Teixeira Raldi para dar cumprimento a dois mandados de prisão preventiva e dois mandados de busca e apreensão. Dois homens, de 56 e 25 anos, foram presos em suas residências na Ilha dos Marinheiros , por tráfico de drogas e por homicídio. Após as formalidades legais, os presos serão encaminhados ao Presídio Central. 







Segundo o delegado Raldi, a origem da investigação partiu de um homicídio ocorrido em maio de 2010, na Ilha dos Marinheiros. Lá havia regime de terror imposto pela dupla, com a instalação de diversos quebra-molas, cancelas e câmeras para monitorar e revistar os carros que entrassem e saíssem da localidade. Um jovem, de 24 anos, teria se rebelado e se desentendido com um dos homens, que para demonstrar poder, teria efetuado cerca de três disparos no peito da vítima que veio a falecer no local. Em que pese não tenham sido apreendidas armas, muito provavelmente em virtude do monitoramento da área por meio de câmera, já sabendo quando do ingresso da polícia no início da localidade, foram localizadas e apreendidas diversas munições de calibre 38 (utilizada no crime) e 12 - complementa o delegado. 











Fonte: 2ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Desaparecidos (DHD) / DEIC 



Cecy Quadros Raicik 



Reg. Prof. 6211



ESTA FOI A MATÉRIA EXIBIDA NO SITE DA POLICIA CIVIL, COM DECLARAÇÃO DO DELEGADO FALSÁRIO ARTHUR RALDI, MATÉRIAS SEMELHANTES, EM OUTROS JORNAIS 

NA RADIO ONLINE DO CORREIO DO POVO DIA 08.07.2011, COM ÁUDIO DO PRÓPRIO DELEGADO, SÃO PARTE DAS PROVAS QUE ESTAMOS JUNTANDO NOS PROCESSOS CRIMES E INDENIZATORIAS. 

A NOTA CRIMINOSA DIVULGADA PELO DELEGADO FALSARIO, LADRÃO, ILUSIONISTA, DESCRITA ACIMA, COM TEXTO ORIGINAL DA PUBLICAÇÃO, É NADA MAIS NADA MENOS, QUE UM ATENTADO CONTRA A PROPRIA CORPORAÇÃO DA POLICIA CIVIL, ATENTA TAMBEM AO BOM ANDAMENTO DO SISTEMA, DOS BONS POLICIAIS, MOTIVO PELOS QUAIS, REPRESENTEI NO MP, CORREGEDORIA DE JUSTIÇA, CORREGEDORIA DA POLICIA CIVIL(Conforme ocorrencias nos. 5762; 5763; 5764; 5765), E CORDENADORIA DAS PROMOTORIAS, PELA GRAVIDADE DOS FATOS, PELA GARANTIA DE UMA BOA INVESTIGAÇÃO, PELA GARANTIA DA , PUNIÇÃO DO DELEGADO FALSARIO, DO CONTRARIO QUANTAS VEZES MAIS ESTE VAGABUNDO MENTIROSO, VAI ATINGIR FAMILIAS, LARES, COM INQUERITOS ARQUITETADOS, RECHEADOS DE MENTIRAS E FALSIDADES IDEOLOGICAS, OUTROSSIM, CABE DIZER QUE TODOS OS ATOS, FORAM ABONADOS DE OFICIO PELA JUSTIÇA, MOTIVO QUE DEVE TER A INTERVENÇAO DA CORREGEDORIA DE JUSTIÇA DO ESTADO, SE AQUI NÃO FOR RESOLVIDO, ENCAMINHAR A CORREGEDORIA DO CNJ, VAMOS ATE O FINAL, ENQUANTO ESTE POLICIAL FALSARIO NÃO RECEBER PUNIÇÃO DEVIDA, AGUARDE... 
NO INQUERITO QUE O MESMO FEZ, COM FALSAS ACUSAÇÕES NO JECCRIM, O FALSARIO MANIPULOU PROVAS, SEM SE QUER  DAF VISTAS OU APANHAR ASSINATURA DE ADVOGADO, MANIPULANDO O FALSO INQUERITO, PARECE QUE A CADA DIA ENCONTRAMOS MAIS ATOS CRIMINOSOS DESTE POLICIAL VAGABUNDO FALSARIO, QUE DESCARADAMENTE ATENTOU CONTRA A JUSTIÇA, DUVIDO QUE OS COLEGAS DO BEM, SERÃO PARCERIA OU IRÃO APOIAR ESTE CANALHA TRAVESTIDO DE POLICIAL, SEUS ATOS FORAM DESCARADAMENTE ABONADOS PELA JUSTIÇA, SE ENGANADA FOI, HOUVE PERMISSÃO PARA ISSO, RASGARAM A CARTA MAGNA E MUITO MAIS...

AGORA VEJA A MESMA DELEGACIA, COM OS MESMO CRÁPULAS, NA PROTEÇÃO DE CLINICAS DE ABORTOS, NÃO FALTA MAIS NADA!!!!!


Matéria de Zero Hora: 14.09.2011.

POLICIAIS SUSPEITOS DE RECEBER PROPINA DE CLINICA DE ABORTO...

Policiais civis suspeitos de receber propina. Três agentes foram afastados por suposta proteção a clínica de aborto - JOSÉ LUÍS COSTA, ZERO HORA 14/09/2011

Suspeitos de receber propina de uma clínica clandestina de aborto no centro de Porto Alegre, três agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), o órgão de elite da Polícia Civil, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público (MP). Os policiais exerceram a função de chefe de investigações na Delegacia de Homicídios da Capital – responsável por reprimir esse tipo de crime – e estão afastados do trabalho desde o começo de agosto por ordem do Conselho Superior de Polícia.

Além deles, o MP denunciou outras sete pessoas por suposto envolvimento em abortos e pagamento de propina a policiais – cinco delas tiveram a prisão preventiva decretada – e, pelo menos uma já é ré em um processo por crime de aborto que tramita na 1ª Vara do Júri de Porto Alegre.

Assinada pela promotora Lúcia Helena de Lima Callegari, a denúncia contra os agentes é resultado de investigações de policiais de Canoas e da Corregedoria-geral da Polícia Civil (Cogepol), baseada em depoimentos, quebra de sigilo telefônico e escutas autorizadas pela Justiça.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, quando surgiam queixas, os policiais civis teriam se omitido de investigá-las e avisariam a clínica sobre eventuais buscas no local. Em troca, os agentes teriam recebido dinheiro. A investigação da Cogepol e do MP apontou que essa prática teria ocorrido entre novembro de 2010 e abril deste ano.

PMs integrariam esquema

Em uma conversa gravada, em 21 de março, que teria como interlocutores uma mulher da clínica, Sandra Maria Indicatti, e o policial civil Walter Reyes Boehl, eles marcariam um encontro no Centro.

–Vou levar as tuas calças, que tu mandou fazer a bainha, mas vê se tu me paga, né? Vou te dar um descontinho porque tu trouxe bastante calça dos teus amigos – disse a mulher.

No entender da Cogepol e do MP, a frase significaria que o policial estaria recebendo propina por indicar clientes para a clínica. Em outra conversa grampeada, também em 21 de março, Sandra teria feito contato com outro agente, Paulo Vladimir de Farias Quintana. Conforme a denúncia, Sandra teria, em uma agenda pessoal e na memória de celulares, números de telefones particulares e funcionais dos policiais. Sandra também teria mantido contatos com outro policial, Pedro Oldimar Diniz, que foi chefe de investigações da Delegacia de Homicídios de 2008 até o final do ano passado.

Há suspeita de que quatro PMs, até agora não identificados, davam cobertura para as atividades da clínica. Uma cópia da denúncia foi remetida para a Corregedoria da Brigada Militar. No período de interceptações telefônicas foi constatado que cinco médicos – da Serra, do Vale do Sinos e de Canoas – teriam encaminhado pacientes para a clínica.

Estimativas policiais indicam que na clínica clandestina eram feitos, em média, cem abortos por mês, a preços de até R$ 3,8 mil. A clínica funcionava em três salas do quarto andar de um prédio na Avenida Otávio Rocha, sob a fachada de uma loja de confecções, em condições precárias de higiene.

A denúncia aponta que o corretor de imóveis José Fernando de Moura seria uma das pessoas que realizava os procedimentos, e o que marido de Sandra, João Alberto Souza Carbone, atuaria como olheiro na portaria do prédio.


Contrapontos

O que diz o advogado Marcos Vinícius Barrios, defensor do policial Paulo Vladimir de Farias Quintana - “Não temos acesso ao processo. Assim que tivermos, vamos apresentar a defesa. O Quintana tem um histórico com bons serviços prestados à polícia. Não recebeu propina, e o afastamento dele das funções foi por um ato da Corregedoria”.

O que diz o policial Pedro Oldimar Diniz - Zero Hora tentou contato com Diniz por meio de três celulares dele, mas estavam desligados e deixou recado com colegas dele. Em depoimento à Cogepol, Diniz negou ter recebido propina. Afirmou que tinha passado o telefone dele para uma mulher ao investigar a morte de um médico, suspeito de praticar aborto, em outubro do ano passado.

O que diz o policial Walter Reyes Boehl - ZH tentou falar com Walter por meio de dois celulares dele, mas estavam desligados. Colegas dele informaram que não poderia informar outros contatos. Em depoimento à Cogepol, acompanhado do advogado Santo Viríssimo Camacho Rodrigues, Walter disse que investigava a clínica e negou receber propina.

O que diz o corretor de imóveis José Fernando de Moura - ZH ligou para o celular de Moura, mas estava desligado. Na casa dele, uma pessoa atendeu ao telefone e informou que ele está em viagem.

O que diz o advogado César Peres, defensor de Sandra Maria Indicatti e João Alberto Souza Carbone - “A Sandra é funcionária de uma loja de confecções. Ela responde a uma processo por aborto, que se alonga há anos na Justiça, mas ela nada tem a ver com crimes. Se tornou suspeita por causa desse processo, mas é inocente. Tanto é verdade que, quando ocorreu a batida policial na loja, não encontraram nada. O João é aposentado, presta serviço de motorista e faz entregas para a loja”.

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA