Postagem em destaque

CARTA DE DEMISSÃO DA SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA (11.05.2016)

Este blog, tem como finalidade, expor as mazelas, as quais convivemos em nosso dia a dia, sempre baseado em informações, divergências ou rej...

quinta-feira, 26 de abril de 2012

CONDENADA POR EXTORSÃO MEDIANTE SEQUESTRO NÃO GANHA HC

Este blog, tem como finalidade, êxpor as mazelas,, divergencias ou rejeições, fazem parte, nem cristo agradou, que dirá um mero leiloeiro...


Sergio Vianna - Leiloeiro Oficial
26 abril 2012

Condenada por extorsão mediante sequestro não ganha HC

A decisão que cassou a progressão de regime de uma mulher condenada a 12 anos de reclusão pelo crime de extorsão mediante sequestro foi mantida. Os ministros da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negaram Habeas Corpus para restabelecer o regime semiaberto. Para eles, o benefício somente será concedido ao condenado que preencher, cumulativamente, os requisitos objetivo e subjetivo, conforme disposto no artigo 112 da Lei de Execução Penal.
Segundo a relatora do pedido, ministra Laurita Vaz, embora a nova redação do artigo 112 da Lei 7.210/1984 não mais exija o exame criminológico, cabe ao magistrado verificar o atendimento dos requisitos subjetivos à luz do caso concreto, “podendo, por isso, determinar a realização da perícia, se entender necessário, ou mesmo negar o benefício, desde que o faça fundamentadamente, quando as peculiaridades da causa assim o recomendarem, em observância ao princípio da individualização da pena, previsto no artigo 5º, inciso XLVI, da Constituição Federal”, acrescentou. Ela disse ainda que o entendimento já está consolidado pela Súmula 439 do STJ, a qual prevê que "o exame criminológico pelas peculiaridades do caso, desde que em decisão motivada.".
No Habeas Corpus dirigido ao STJ, a defesa alegou que a paciente já cumpriu mais de um sexto da pena e possui atestado de bom comportamento carcerário, motivo pelo qual não cabe ao tribunal local determinar a realização do exame criminológico apenas com base na gravidade abstrata do delito e na presunção de periculosidade do sentenciado. Pediu, em liminar e no mérito, que fosse restabelecido o regime semiaberto concedido à paciente. A liminar foi indeferida.
Após a decisão do juiz favorável à progressão de regime, o Ministério Público de São Paulo protestou, em agravo de execução dirigido ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Segundo o órgão, não estava presente no caso o requisito subjetivo. No agravo, o MP afirmou que a sentenciada cumpre pena por crime gravíssimo, o que causa grande apreensão à sociedade.
O TJ-SP entendeu que seria prudente e recomendável uma melhor avaliação do requisito subjetivo, por meio da realização do exame criminológico, com base na periculosidade da ré, condenada pelo crime de extorsão mediante sequestro e com longa pena a cumprir.
“O juiz, na condução do processo e na análise da verificação daquele mérito do preso, pode se cercar de todos os elementos necessários à formação de sua convicção, inclusive daqueles exames, ainda que atualmente alijados mas não proibidos pela legislação em vigor”, considerou o relator do caso no TJ-SP. Para o tribunal paulista, não ficou esclarecida nos autos a capacitação da sentenciada, ou seu merecimento, para obtenção do benefício. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.
HC 226.386

POSTAGENS DE SERGIO VIANNA